quinta-feira, 2 de junho de 2011

Dois lados de um lago .









Dois Lados de um lago- Por Svetlana Zakharova! Odette ou Odile? Qual a sua preferência, a delicada e suave Odette ou a forte e sedutora Odile! Se vir esses arabesques logo perceberá rapidamente à diferença, o arabesque de Odette é lindo perfeito com muita suavidade sei lá parece que é muito doce, parece que é meio sofrido uma coisa muito poética. Ao contrário o de Odile é forte com atitude de quem quer algo e irá conseguir com muita garra e perseverança! O olhar é diferente, a roupa é diferente, tudo é ao contrário, qual lado escolheria o cisne branco ou o cisne negro, têm coisas na vida que serão sempre motivo de competições, cores como rosa e azul, Brasil e Argentina, Odette e Odile, mas pensando bem todo mundo tem seu lado negro e seu lado doce como Odette, não negamos que seja um dos papéis mais cobiçados do ballet e um dos mais difíceis, porque a bailarina tem que a suavidade e a força, como se fosse juntar Kitri (Don Quixote) e Giselle (Giselle), papéis muito difíceis. Tudo que uma faz é totalamente diferente da outra é o oposto, como dizem os opostos se atraem. Assim como juntar a alegria e a tristeza, a bondade e a maldade, a Odile é alegre e má, e Odette é bondosa e parece meio triste!Não que eu não goste da Odile eu amo, mais o papel dela é de má! 

Plies . .



Os plies o que é? É um dos movimentos mais completos do ballet, bem é uma dobra de joelhos que faz os músculos, mas flexíveis e maleáveis. Existem dois tipos de plies mais tem três nomes.

a) A imagem nº1 mostra o plie e o demi-plie que são a mesma coisa, ai você se pergunta não podia ser um só nome, também acho mais se tem o grám-plie (que é o grande) tem que ter o pequeno (que é o demi-plie).Sempre fazemos um demi-plie quando sairmos de uma sustentação de pernas.

b) A imagem nº2 mostra o grám-plie, que é mais profundo que o plie (ou demi-plie), mais tem que lembrar que não pode sentar, tem que manter postura e quadril encaixados!



Polaina .


Polaina é o nome de uma peça de roupa, que geralmente é de lã, que se usa por cima da sapatilha ,cobrindo o peito do pé.

A polaina é usada para o ballet, para quando você vai se aquecer no dia de frio antes de começar uma aula esforçada. Nos dias frios é bastante necessário porque, se não tiver com ela você pode esticar o musculo e se machucar sério.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dança !


Para muitas pessoas, o fato de ver alguém praticando ballet por toda a vida, desde sua infância, já é motivo suficiente para descartar um curso universitário nesta área, já que conhecimento e prática não lhe faltam.
Mas não é bem assim. A Faculdade de Dança tem proporcionado aos apaixonados pela arte a possibilidade de se aperfeiçoarem naquilo que amam, por meio do estudo e da profissionalização. Isso sem falar na chance de propagar a arte, tornando-a, pouco a pouco, mais acessível ao público.

Novos caminhos

O bacharelado em Dança abre novas possibilidades ao profissional: além de atuar como bailarino, fazendo parte de um corpo de baile, pode dar aulas em academias e escolas de dança de salão, montar e dirigir espetáculos.
A especialização neste segmento lhe permite criar e coordenar apresentações de ballet, escolhendo sua equipe, formada tanto pelos bailarinos quanto pelo pessoal da cenografia, técnica e produção. Caso opte pela criação de coreografias, o profissional poderá atuar em teatros, televisão e até mesmo na produção cinematográfica.
Já quem faz Licenciatura pode dar aulas de dança tanto em escolas públicas quanto particulares, dentro da disciplina de Artes, da Educação Infantil ao Ensino Médio. Pode levar seus conhecimentos também aos espaços comunitários, que tenham propostas de dança voltadas à educação.

Corpo e mente

O Brasil não tem hoje a tradição no Ballet que outros países, principalmente da Europa, possuem, mas é reconhecido internacionalmente pela sua qualidade técnica e variedade de ritmos e tendências que enriquecem a arte da dança, tornando-a um diferencial.
Embora o País tenha ainda poucas faculdades de dança (cerca de 15 cursos de graduação e 30 de pós-graduação), a qualidade de ensino no Brasil é considerada de alto nível.
Quem pretende fazer um curso superior de dança pretende obter mais elementos para analisá-la, compreendê-la e vivenciá-la, proporcionando ao bailarino uma rica bagagem na área do conhecimento, que fortalecerá sua trajetória.
A iniciativa de reunir conhecimentos e a prática da dança tem formado bailarinos graduados também em psicologia, medicina, educação física e jornalismo, com a proposta de aperfeiçoar e divulgar a arte. Justamente por isso, ela tem crescido e se fortalecido no País.

Mercado de trabalho

A maioria das companhias de dança (não são muitas no Brasil) está localizada em São Paulo e Rio de Janeiro, o que pode ser visto, num primeiro momento, como dificuldade para quem sonha com este caminho.
Entretanto, outras capitais como Florianópolis, Goiânia e Salvador têm se desenvolvido nesta modalidade, trazendo novas perspectivas de trabalho. A coreografia é vista como uma opção para conquistar espaço no mercado.

Sobre a faculdade

Na faculdade de dança o universitário terá contato com disciplinas teóricas, como anatomia, psicologia, filosofia, comunicação e expressão e história da arte. Do lado prático, não podem faltar técnicas de dança, improvisação, coreografia e interpretação.
O curso tem duração média de quatro anos e, na maioria das vezes, o estágio é obrigatório. Próximo à conclusão do curso, as faculdades costumam exigir do aluno a elaboração de uma monografia e a apresentação de uma montagem cênica .
A dança é uma tela de quadro por pintar

Com traços de silêncios e cores

Planando nas asas de uma gaivota

Que se liberta no silencio do céu.

A dança é o balanço de uma caravela

Que navega em longínquos oceanos

Encalhados nas profundezas da alma

Que se deixa arrastar

Pelos toques desenfreados das correntes

Galopando como um cavalo selvagem

Nos tímidos prados das nossas veias.

.


- Moisés Correia -



             Natália Osipova e Andrey Bolotin , os solistas do balé Bolshoi !

Alongamentos !

Quando conhece melhor o seu corpo você terá mais capacidade de se desenvolver, se referindo a força, resistência, flexibilidade e temperamento. Ultimamente muitas pessoas estão descobrindo que o exercício físico faz um bem danado pra gente.

Os alongamentos são um passo importante entre a vida sedentária e uma vida ativa. Ajudam no vigor e na flexibilidade dos músculos evitam certas lesões. Os alongamentos tem muita importância para aqueles que correm, andam de bicicletas, que fazem qualquer exercício desgastante ou dançam!

Os exercícios de alongamento são fáceis, mas se forem feitos de forma incorreta podem fazer mal ao invés de bem. Não se esqueça!
Não tem necessidade de forçar seus limites, faça até onde você consegue se alongar. Feitos sob medida, conforme a sua flexibilidade, estrutura muscular e de acordo com os níveis de tensão.

O mais importante é você relaxar, reduzindo a tensão muscular os movimentos ficam mais soltos, sem um esforço concentrado no objetivo da total flexibilidade que acaba tento superestiramentos e lesões.

O alongamento não provoca lesões, suas sensações leves e revigorantes permitem a sintonia com os músculos.

É preciso que pratique devagar, principalmente no início, pois não há como entrar em plena forma no primeiro dia.Todas as pessoas podem fazer alongamento, sem idade ou flexibilidade. Não precisa possuir habilidades atléticas ou estar no ponto máximo da condição física.

O alongamento reduz as tensões musculares dando a sensação de músculos relaxados. Traz muitos benefícios para a coordenação.
Previne as distensões musculares, um músculo alongado resiste as tensões. Facilita as atividades mais desgastantes e desenvolve a consciência corporal, libera os movimentos bloqueados causados por tensões emocionais.

Começar o dia se espreguiçando já é um bom começo!

Dançar é viver !

As artes em geral devem ser valorizadas e aplaudidas de pé, mas nada em minha vida se compara a relação que tenho com a dança ..
Infelizmente o conceito e a visão de dança que as pessoas tem ainda está longe do que ela realmente significa, não tem nada de complicado em dançar, além de ser uma arte muito democrática, afinal você não precisa de muita coisa para dançar, pois a dança nada mais é do que colocar seus sentimentos nos seus pés, braços, mãos e nos seus gestos ..

Quer um exercício melhor para aliviar o stress do que colocar uma música que você goste muito em alto som e dançar sem ninguém por perto ? É ótimo, experimente qualquer dia ! 



A dança tem poderes terapeuticos, te dá liberdade de você poder colocar todos os seus sentimentos para fora e gritar tudo que deseja, sem ao menos dizer uma palavra .. Acima de qualquer coisa, a dança significa liberdade, vida, alegria, expressar sentimentos .. Por isso viva, faça esse exercício: dance !


quarta-feira, 25 de maio de 2011

Jazz .

  A dança jazz é energética e expressiva, além de ser uma grande diversão, ajuda a melhorar a coordenação. Nos dias de hoje, grande parte do que se vê nos musicais, filmes e vídeos populares é jazz. Com muita influência dos espetáculos da Broadway, juntamente com o sapateado americano é sempre uma opção para um estilo livre e bem humorado.
    O jazz é uma forma de expressão pessoal criada e sustentada pelo improviso, apresentando uma descendência que pode ser traçadas nas suas origens africanas. Tem certas características marcantes, numa explosão de energia que irradia todo o corpo e um ritmo pulsante, dando o balanço certo e qualidade do movimento.

Fotos :





Postura de uma bailarina .


para ter a postura correta é preciso estar atenta e preocupada em manter-se encaixada corretamente. Para isso, jamais deve-se "empinar" o bumbum, porque além de estar desencaixada e visivelmente "deselegante", irá levantar a perna pelos glúteos e não pelo inferior da coxa, que é a forma correta. Se você fizer isso, jamais conseguirá um pernão alto à lá Zakharova. O correto é: encaixar o quadril, manter o eixo da coluna reto, o pescoço deve seguir o eixo da coluna, para lhe sustentar. Os ombros devem ser abertos, mas não para trás; eles devem seguir a direção da linha das orelhas. As costelas devem estar "fechadas", para dentro, de forma que lhe dêem força abdominal para exercícios de sustentação.

Adage, Adagio - Adage é uma palavra francesa derivada do italiano AD AGIO e significa devagar ou com descanso.
Os professores ingleses de ballet usam ADAGE, a adaptação francesa, enquanto que os americanos
preferem o original italiano. No ballet esta palavra tem duas significações:

1) uma série de exercícios do centro, consistindo de uma sucessão de movimentos lentos e graciosos que podem ser simples ou de caráter muito complexo, executados com fluidez e aparente facilidade. Estes exercícios desenvolvem a capacidade de sustentação, a estética, o equilíbrio e a pose correta, o que permite ao bailarino executar movimentos graciosos e certos. Os principais passos do adágio são pliés, développés, grand fouettés en tournant, dégagés, grands rond de jambes, rond de jambe en l'air, coupés, battements tendus,
attitudes, arabesques, preparação para piruetas e piruetas;

2) a abertura do clássico pas-de-deux no qual a bailarina, ajudada pelo parceiro masculino, executa os movimentos lentos e o bailarino levanta, sustenta ou transporta a bailarina. Esta, assim amparada, pode então exibir sua graça, sua linha e seu perfeito equilíbrio, executando développés, piruetas, arabesques etc., e consegue combinações de passos e poses que seriam impossíveis sem a ajuda do partner. 
Air, en l' - No ar. Indica:
1) que um movimento vai ser feito no ar, por exemplo, rond de jambe en l'air;
2) que a perna em movimento (após ter sido aberta na segunda ou na quarta posição)
será levantada a uma posição de 45ª, 90ª ou 120ª. 
Allegro - Vivo, esperto. Para todos os movimentos brilhantes e vivos. Todos os passos de elevação tais como entrechats, cabrioles, assemblés, jetés etc. obedecem a esta classificação. As qualidades mais importantes que se deve ter em mira num allegro são a leveza, a suavidade, o balanço e a vivacidade. 
Allongé - Alongado, estendido, esticado. Exemplo: arabesque allongé.
Aplomb - Aprumo. Dá-se o nome de Aplomb à elegância e ao controle perfeito do corpo e dos pés,
conseguido pelo bailarino ao executar o movimento.
Arabesque - Arabesco. Uma das poses básicas do ballet, que tira o seu nome de uma forma de ornamento mourisco. No ballet, é uma posição do corpo, apoiado numa só perna que pode estar na vertical ou em demi plié, com a outra perna estendida para trás e em ângulo reto com ela, sendo que os braços estão estendidos em várias posições harmoniosas criando a linha mais longa possível da ponta dos dedos da mão à dos pés. Os ombros devem ser mantidos retos em frente à linha de direção. Os arabesques são geralmente empregados para concluir uma fase de passos, tanto nos movimentos lentos do adágio como nos movimentos vivos e alegres do allegro. Clique aqui para visualizar essa posição.
Arriére, En - Para trás. Uma direção para a execução de um passo. Expressão usada para indicar
que o passo é executado em direção oposta ao público.

Arrondi - Arredondado, curvo. Exemplo: battement arrondi.

Assemblé - Juntos ou reunidos. Um passo no qual um pé escorrega pelo chão como num tendue, é jogado ao ar, e nesse momento, o bailarino levanta a perna de apoio, esticando os dedos dos pés.
Ambas as pernas vão ao chão, uma após a outra, em 5ª posição.

Attitude - Uma determinada pose do ballet tirada por Carlo Blasis da estátua de Mercúrio por Jean Bologne.
É uma posição numa perna só com a outra levantada para trás com o joelho dobrado num ângulo de
noventa graus e bem virada para fora para que o joelho fique mais alto do que o pé.
O pé de apoio pode ser à terre, sur la pointe ou demi-pointe. O braço do lado da perna levantada é
mantido por cima da cabeça numa posição curva enquanto que o outro é estendido para o lado.
O attitude também pode ser com a perna levantada para a frente.
Veja aqui o attitude devant (à frente) e o attitude derrière (atrás).

Avant, En - Para a frente. Uma direção para a execução de um passo. Usado para indicar
que um determinado passo é executado para a frente. exemplo: assemblé en avant.

Balancé - Passo balançado. Este passo é muito parecido com o passo de valsa e é uma alternativa de balança, passando o peso de um pé para o outro. O balancé pode ser feito cruzando o pé na frente ou atrás.
Quinta posição, pé direito para frente. Demi-plié, dégagé o pé direito para a segunda posição e
desloca sobre o mesmo levemente em demi-plié cruzando o pé esquerdo atrás do tornozelo direito e inclinando a cabeça e o corpo para a direita. Pisa no pé esquerdo demi-pointe atrás do pé direito levantando este ligeiramente,
e depois deixa-se cair novamente sobre o pé direito em demi-plié
com o pé esquerdo levantado com um cou-de-pied atrás.

Balançoire, En - Como uma gangorra. Termo aplicado a um grande battement quando executado com um movimento contínuo de balanceio da quarta posição na frente ou atrás, passando por aquelas posições na primeira.
O movimento é o mesmo que en cloche.

Ballon - Bola. Pulo elástico. Uma qualidade leve e elástica dos movimentos do bailarino
como os suaves pulos de uma bola de borracha.

Balloné - Pulando como uma bola. O bailarino pula executando simultaneamente
um battement depois cai em demi-plié na perna de sustentação.

Ballotté - Jogado, atirado. Um alegre passo atirado que requer muito equilíbrio, ballon e épaulement.
Também é chamado de Jeté bateau.

Bas, En - Em baixo. Usado para indicar uma posição baixa dos braços. Exemplo: quinta posição em baixo.
Battement - Batida. Uma ação de batida da perna estendida ou dobrada. Há dois tipos de batidas,
grandes e pequenas. As pequenas batidas são: battements tendus,
dégagés e relevés: esticados, apartados, batidos e levantados.

Batterie - Bateria. O termo técnico francês para passos batidos. Um termo coletivo significando
todo o vocabulário das batidas. Qualquer movimento no qual as pernas batam juntas ou uma
perna bata de encontro à outra, a batida sendo efetivamente feita com a barriga das pernas.
Ambas as pernas devem ficar igualmente esticadas durante uma batida. Nunca se bate com uma perna
enquanto a outra está passiva. A bateria é dividida em grande bateria e pequena bateria,
segundo a elevação, grande ou pequena.

Battu - Batido. Qualquer passo embelezado com uma batida é chamado de pas battu.
Exemplo: assemblé battu.
Bras - Braços.
Bras au repos - Braços em repouso. Uma posição preparatória dos braços usados no método francês.
Os braços são ligeiramente arredondados e mantidos nos lados com as pontas dos dedos tocando apenas as coxas. 
Bras bas - Braços baixos. Esta posição é o atenção dos bailarinos.
Os braços formam um círculo com as palmas da mão de frente uma para a outra e as costas das mãos repousando nas coxas. Os braços devem ficar pendurados livremente mas sem permitir que os cotovelos toquem no corpo.
Brisé - Partido. É feito dessus, dessous, en avant e en arrière. Fundamentalmente, um brisé é assemblé batido em movimento. A perna em movimento arrasta-se da quinta posição para a segunda en l'air de forma que a ponta do pé fique a alguns centímetros do chão, bate na frente ou atrás da outra perna que se deslocou ao encontro dela,
em seguida ambos os pés voltam ao chão simultaneamente em demi-plié na quinta posição.

Cabriole - Um passo saltitante onde o dançarino bate as duas pernas juntas no ar.
A perna de sustentação vai de encontro com a de movimento.

Cambré - Arqueado. Dobrar o corpo a partir da cintura, para a frente, pra trás ou pra os lados,
a cabeça acompanha o movimento.
Centre practice - Exercícios feitos no centro.

Chainés - Uma série de voltas rápidas na ponta ou demi-pointe feitos em linha reta dentro de um círculo.
Changements de pieds - Troca de pés. Passos saltitantes na quinta posição onde os pés são trocados no ar.
Changer de pied - Indica que os pés no fim de um passo devem ser trocados.
Chassé - Um passo no qual um pé lateralmente caça o outro para fora da sua posição.
Ciseaux - Um movimento em forma de tesoura abrindo-se as pernas numa posição ampla e en l'air cortando com ambas o ar, cruzando com um movimento brusco uma das pernas levando-a esticada da frente para trás. 
Cloche - O pé passa da frente para trás através da primeira posição, seja num jeté ou tendue, por exemplo.
Collé - Pernas coladas uma na outra.
Contretemps - Contratempo. Passo composto de um coupé chassé, temps levé, chassé passé. 5ª posição, direita em frente; coupé com a perna esquerda, chassé en avant com a direita, um temps levé sobre a perna direita, com a esquerda atrás em arabesque, e um chassé passé com a esquerda terminando em 4ª allongée,
com o peso sobre a perna esquerda em demi plié e a direita atrás em degagé a terre.
Coté, De - De cabeça. Exemplo: balancé de coté.
Cou-de-pied - Peito do pé. A parte do pé entre o tornozelo e a base da panturrilha é chamada de cou-de-pied.
Coupé - Um passo intermediário feito como preparação ou impulso para algum outro passo. Um pé corta o outro afastando-o e tomando seu lugar.
Croisé - Cruzado. Uma das direções dos ombros. O cruzamento das pernas com o corpo colocado
em ângulo oblíquo em relação ao público.

Déboulés 
- Rolando como uma bola. Um passo onde o bailarino dá várias voltas em torno de si mesmo avançando para o ponto onde sua cabeça está fixada. A cabeça deve girar antes do corpo. É feito em demi-pointe ou em pointe.

Dedans, En - Para dentro. Em passos e exercícios o termo en dedans indica que a perna, à terre ou en l'air, se mexe em movimento circular em sentido anti-horário de trás pra frente. Por exemplo, em rond de jambe à terre en dedas. Em pirouettes o termo indica que a pirouette é feito para dentro em relação à perna de base.
Dehors, En - Para fora. Em passos e exercícios o termo en dehors indica que a perna, à terre ou en l'air, move em uma direção circular, em sentido horário de frente pra trás. Por exemplo, em rond de jambe à terre en dehors. Em pirouettes o termo indica que uma pirouette é executada com a perna bem aberta, para fora.
Demi-bras - Braços baixos.
Demi-plié - Joelhos meio dobrados. Todos os passos de elevação começam
e terminam com um demi-plié. Ver plié.
Derriére - Atrás. Este termo pode referir-se a um movimento, passo ou a colocação de um membro atrás do corpo. Com referência a um passo determinado. 
Dessous - Para trás. Indica que o pé que trabalha passa atrás do pé de base.
Por exemplo, em pas de bourrée dessous.
Dessus - Para frente. Indica que o pé que trabalha passa à frente do pé de base.
Por exemplo, em pas de bourrée dessus.
Détiré - Destender. Uma esticada da perna sustentando-a pelo calcanhar com a mesma mão
correspondente à perna em movimento. Este exercício é feito geralmente na barra.

Détourné 
- Desvirado de lado. Um détourné é uma volta para trás na direção do pé de trás invertendo
a posição dos pés. É sempre feito nas pointes ou demi-pointes. Há duas formas de détourné:
demi-détourné e détourné completo, girando uma meia volta no pé da frente em direção ao de trás,
e conservando o pé de trás ligeiramente levantado ainda atrás. Coloca o pé de trás na demi-pointe
com fondu e acaba a volta com um demi-détourné.
Devant - Na frente. Este termo refere-se a um movimento de passo ou à colocação de um membro
na frente do corpo. com referência a um passo determinado, exemplo: jeté devant,
o acréscimo implica que a perna em movimento é fechada na frente.
Développé - Desenvolvido. Um développé é o movimento feito a partir de um retiré onde a perna
é levantada para a frente, ou lado, ou trás, mantendo-a na posição.
Diagonale, En - Em diagonal. Indica que um passo deve ser feito deslocando o corpo em diagonal.
Divertissement - 1. Uma seção de danças no balé que não tem nehuma conexão com o enredo, por exemplo,
a dança das fadas, em "A Bela Adormecida", 3º Ato, ou "Camponês", pas de deux em "Giselle" 1º Ato.
2. Uma curta dança ou trecho de um longo balé como uma parte separada em determinado programa.
Écarté - Separado, apartado. O écarté é uma posição especial do corpo quando este fica diagonalmente
em direção ao público com os braços e pernas alinhados. Uma das pernas fica à la secondé e os braços
em posição de atitude, sendo que o da perna esticada é o mais baixo.
Échappé - Um échappé é um passo de salto, onde os dois pés pulam fechados em quinta e
trocam de lugar no ar, acabando em demi-plié no chão. Dependendo do caso, échappés são feitos
da segunda para a quarta posição, os dois pés em distâncias iguais do centro original de gravidade.
Effacé - Uma posição do corpo onde o dançarino se vira para o lado do público.
Entrechat - Um passo no qual o bailarino pula no ar e cruza rapidamente as pernas atrás uma da outra.
Existe o entrechat deux (um cruzamento), quatre (dois cruzamentos), six (o pé da frente bate uma vez no ar no pé de trás e cai trocando os pés), cinq (igual ao quatre, porém a caída é sobre um pé, sendo que o outro fica sur le cou-de-pied), trois e sept (igual ao six, mas a descida é sobre um pé, sendo que o outro é sur le cou-de-pied).
Enveloppé - Uma rotação do corpo para dentro sobre a perna de apoio enquanto a outra a envolve.
Épaulement - Um ligeiro movimento dos ombros, em croisé ou effacé, em relação à cabeça e às pernas, utilizadas principalmente no balé clássico, particularmente nas escolas Italianas, Russas e Britânicas.
Na velha França e nas escolas Dinamarquesas é raramente usado.
Exercices au milieu - Exercícios no centro.
Face, De - De frente, completamente de frente para o público.
Failli - Falho. Um movimento rápido feito em um só tempo. De um demi-plié na quinta posição,
pula com os pés juntos e, no ar, vira-se deixando o ombro esquerdo para a frente. No ar, a perna de trás
abre para trás e, ao cair, escorrega para a frente, enquanto a perna da frente fica em demi-plié.
Flic-flac - A preparação desse passo é um tendue à la seconde sendo que a perna de apoio está em demi-plié.
A perna do tendue cruza para trás da outra perna enquanto esta se levanta para girar,
depois dá uma raspada no chão, e fecha em coupé.
Fondu, Fondue - Descida, derretido. Um termo utilizado para descrever a baixa do nível do corpo
através da dobradura dos joelhos da perna de base. Saint-Léon escreveu "Fondu é em uma perna
enquanto plié é em duas". Em alguns instantes o termo fondu também é utilizado para descrever
a finalização de um passo quando a perna que está trabalhando vai ao chão em um movimento suave.
Fouetté - Um passo giratório, geralmente feito em série, onde a perna que está trabalhando
é jogada para o lado em rond de jambe (vide) e enquanto o dançarino gira sobre a perna de base,
mantendo a perna elevada. Os 32 fouettes executado por Odile em "O Lago dos Cisnes",
3º Ato são a mostra o toque da virtuosidade feminina.
Frappé - Batido ou bater.
Gargouillade - Também chamado rond de jambe double. O passo é um pas de chat com um
rond de jambe en l'air, este último feito com a perna que pula primeiro.
Glissade - Deslizamento. Um passo onde, da quinta posição em demi-plié, é feito um jeté à la seconde
com a perna da frente, tomando impulso para um pequeno salto onde a perna de trás fecha na frente.
Glissé - Escorregando, deslizando.
Hauter, À la - Para o alto. Uma posição na qual a perna em movimento é levantada em ângulo reto com os quadris.
Jeté - Jogado, atirado. Um pulo de uma perna para qualquer direção.
Existem vários tipos de jetés: grand jeté, jeté fondu, fermé de coté, en tournant e vários outros. 
Pas couru - Corrido. Um passo corrido é freqüentemente usado para ganhar impulso para um grande pulo
tal como um grand jeté. É composto de três passos corridos seguido do passo para o qual serve de trampolim.
Pas de basque - Passo de Basque. Um passo característico das danças tradicionais dos bascos.
É um passo alternado em três tempos com um movimento largo de lado a lado.
O movimento pode ser feito sauté ou glissé deslizado.
Pas de bourée - Existem vários tipos de pas de bourée, mas basicamente consiste em, de uma posição qualquer,
o pé de trás pisar em demi-pointe ou sur les pointes onde estava, para então a outra perna
se dirigir para o seu lado, pisando em seguida no chão e sustentando a outra perna,
que vai de encontro à esta para fechar em 5ª posição. 
Pas de chat - Um salto rápido e preciso, fechado em quinta ou em terceira posição. Através de um demi-plié,
as duas pernas pulam e ficam dobradas no ar ao mesmo tempo que avançam de lugar. Os pés permanecem esticados. 
Pas de cheval - Passo de cavalo. Consiste em "raspar" a ponta do pé esticado no chão,
pulando graciosamente quando mudar de perna.
Pas de deux, Grand - Dança a dois. Diferente do pas de deux simples que tem uma estrutura definida.
Em regra geral o grand pas de deux divide-se em cinco partes: Entrée, Adage, Variation para o bailarino,
Variation para a bailarina e o Coda, no qual os dois dançam juntos.
Pas marché - Passo de marcha. O termo significa um andar altivo e nobre. Quinta posição, pé direito à frente.
Faça um developpé para a frente com o pé direito, coloque-o no chão em demi-plié,
quarta posição e continue alternando as pernas. 
Passé - Um movimento auxiliar no qual o pé da perna que está em movimento passa pelo
joelho da perna de apoio, de uma posição para outra.
Pas de valse - Passo da valsa. É feito com um gracioso balanço do corpo e diversos movimentos com o braço. Pode ser feito de frente ou en tournant.
Penchée, Penché - Inclinar para a frente, levantando a perna de trás, e fazendo o possível para as costas não descerem. No arabesque penché, o corpo deve formar uma linha reta.
Piqué - Nesse passo deve-se tocar diretamente com a pointe ou demi-pointe do pé que está em movimento em qualquer direção ou posição desejada com o outro pé suspenso no ar.
Pirouette - Rodopiar ou girar rapidamente. Uma volta completa do corpo sobre um pé em demi-pointe ou pointe, sendo conseguida a força impulsora pela combinação de um plié com movimento de cabeça (spotting).
Plié - Uma dobra de joelhos ou joelho. Este exercício torna as juntas e os músculos mais flexíveis
e maleáveis bem como tendões mais elásticos. Existe o plié, que é uma dobra não muito acentuada dos joelhos,
e o grand plié, onde a dobra dos joelhos é bem acentuada, levantando os calcanhares
quando já perto do chão na 1ª, 3ª e 5ª posição.
Pointe - A ponta do pé. As mulheres, e raramente os homens, dançam sobre a ponta dos pés em sapatilhas. A introdução dessa técnica no início do século XIX tornou possível o desenvolvimento da virtuosidade feminina, como múltiplos fouettés e sustento em uma só perna. Meia ponta é quando o (a) dançarino (a) se eleva com os dedos tocando o chão e o resto do pé elevado.
Port de bras - 1) um movimento ou série de movimentos feitos com um braço ou braços em diversas posições.
A passagem dos braços de uma posição para outra.
2) termo para um grupo de exercícios que torna o movimento dos braços mais gracioso e harmonioso.
Promenade, En - Indica que a bailarina roda vagarosamente em um pé sur place com um ligeiro movimento do calcanhar para o lado desejado mantendo uma pose definida.
Relevé - Elevado. Uma elevação do corpo em pontas ou meia pontas, ponta ou mei -ponta.
Há duas maneiras de execução para o relevé. Na Escola Francesa, relevé é feito suavemente,
uma contínua elevação enquanto Cecchetti e a Escola Russa o usavam como um passo ágil.
Relevé deve ser feito em primeira, segunda, quarta e quinta posição,
en attitude, en arabesque, devant, derriére, en tournant, passé en avant, passé en arriére e assim por diante.
Retiré - Uma posição na qual a coxa é levantada para cima de modo que
a ponta do pé fique encostada levemente no joelho. 
Rond de Jambe - Movimento da perna em círculo. Ronds de jambe são usados como exercícios na barra, no centro e em adágio e são feitos à terre ou en l'air e pode ser sauté ou relevé. 
Seconde, A la - Em segunda. Termo para indicar que o pé deve ser ou
está colocado na segunda posição ou que está ao lado. 
Sissone - Um salto dos pés caindo em um pé com a perna trabalhada estendida para o lado,
frente ou atrás num movimento parecido com o de uma tesoura.
Soubressaut - Um salto dado da quinta posição para frente (en avant, croisé ou ouvert en avant). Quando o corpo está no ar os joelhos e as pontas estão esticadas, o pé da frente deve esconder o pé de trás. Caia simultaneamente com os dois pés na quinta posição com o mesmo pé à frente que iniciou o salto.
Sous-sous - Sous-sous é um relevé na quinta posição. Os pés devem ficar bem juntos no momento de se levantar nas pointes ou demi-pointes.
Spotting - Este termo é dado ao movimento da cabeça em pirouettes, déboulés,
fouetté ronds de jambe en tournant, etc. Nessas voltas a bailarina escolhe um ponto fixo à frente e
ao rodar a cabeça deve fixar sempre o ponto de referência sendo a última a estar na direção deste
ponto fixo e a primeira a se encontrar nesta direção enquanto o corpo completa a volta.
Este movimento muito rápido da cabeça dá a impressão de que o rosto está sempre virado para a frente,
evitando a tontura.
Temps levé - Tempo levantado. Um temps levé consiste de um salto para cima e a volta para o mesmo lugar,
sempre sobre uma perna só, com a outra em qualquer posição (na figura em coupe derriére);
como em qualquer passo de salto inicia-se com o demi plié e também termina com o demi plié. 
Tendu - Ver battements.
Tombée - Termo usado para indicar que o corpo cai para frente ou para trás
na perna de movimento num demi-plié.
Variation - Variação. Dança a um no ballet clássico.
Volée, De - Indica que um passo específico deve ser dado com um movimento de vôo.
Voyagé - Indica que um passo específico deve ser dado com uma certa pose, geralmente em arabesque.
O pé de apoio faz uma série de pequenos saltos caindo com o pé (em demi-plié) e com o calcanhar
ligeiramente levantado. O calcanhar é colocado no chão com um suave fondu.

A saúde de um bailarino !


Um bailarino precisa saber como lidar com seu instrumento de trabalho, o corpo. 

Se não souber, pode enfrentar sérias complicações


* Para evitar aquelas dores chatas nos músculos depois da aula, sempre se aqueça o máximo possível 
antes desta. Mas atenção! Não pense em alongar-se bastante! Nunca extrapole seus limites,
pois a aula ainda vai começar, ou seja, você tem muito o que se alongar ainda...
Senão, isso poderá resultar em muita dor de cabeça (e de músculos) depois.

* Após as aulas, se você sentir dores na parte em que se alongou bastante,
como coxa, virilha, panturrilha, compressas de gelo vão bem.

* Se você for tomar banho após a aula, procure tomar banhos quentes, pois seu corpo
ainda está morno pelo exercício, e banhos frios podem resultar em choques térmicos.

* Após exercícios de alongamento, relaxe os músculos, massageando-os ou chutando as pernas para a frente.
Assim o músculo não fica muito "tenso", e nem fica aquela "coisa dura" quando você anda.

* Em casa, se você ainda sente dor em alguma parte de seu corpo, passe pomadas que aliviam a dor, como CATAFLAN EMUGEL®, CALMINEX® e GELOL® . Elas promovem resultados rápidos.
* Atenção! Se nenhum desses itens ajudar para melhorar alguma dor que você esteja sentindo, procure um médico imediatamente. Pode ser um problema sério, como bursite, distensão, contratura etc. 

terça-feira, 24 de maio de 2011

Junior Ramos Royal .


Professor da Atos studio de dança .

Dança de salão .

É uma das formas mais tradicionais de se dançar.
Tem sua origem nas gafieiras e ganhou bastante divulgação no final da década de 80 quando começou a ser mais divulgada pela televisão em tramas de novelas e programas de auditório.

A Dança de Salão, no seu formato original é composta por três ritmos principais:
O Samba ,Bolero e o Soltinho

É uma ótima combinação para quem deseja começar a dançar.

Pilates .

 As aulas de pilates tem como objetivo , uma melhora da postura corporal ,prevenção contra osteoporose ,melhora da capacidade respiratória ,diminuição das dores na coluna ,diminuição do estresse ,melhora da definição da musculatura , reforço da musculatura abdominal.

A saúde do bailarino .

 O corpo de um bailarino tende a ser firme, definido, e magro. Muitas pessoas admiram a disciplina de um bailarino, mas que eles não sabem é que podem ter um corpo parecido com de um bailarino com algumas mudanças em sua própria rotina. 

é de pequena que se faz uma BAILARINA .


Os exercícios infantis no Ballet devem ser adequados à capacidade neurológica músculos-esquelética da criança; assim sendo, é impossível exigir que ela faça esforços, como ficar na ponta dos pés fora de hora.
Toda menininha sonha em ser bailarina, e “ser” bailarina para ela é ficar na ponta dos pés e fazer o grand écart (abertura total das pernas). Aliás, para a grande maioria dos pais, este também é o conceito de “ser bailarina”, pois quando matriculam suas filhas no Ballet, vão logo perguntando: “quando é que ela vai aprender a ficar na ponta dos pés e fazer abertura total?”
Mas a realidade é outra, tem que ser outra. Para se alcançar esse doce sonho, é preciso muitos anos de trabalho sério e consciente e o corpo já ter uma formação músculo-esquelética definida e preparada.

A ponta da bailarina .

Toda bailarina, quando pequena, sonha com o dia em que irá colocar as sapatilhas de ponta nos pés. Não sabem elas , o quanto isso machuca e aperta. Mas todos sabem que não tem jeito, a ponta é como se fosse uma espécie de maioridade da bailarina e todas as meninas ficam doidas para começar.
A ponta foi criada para dar maior leveza à bailarina, que ali em cima transmitiam a sensação de estarem voando. Foi a ponta, também, que desenvolveu a dança, já que diversos movimentos tão conhecidos hoje, como a pirueta e o fouette, somente foram criados e possibilitados após a o surgimento dessa sapatilha.   

terça-feira, 17 de maio de 2011





Os movimentos no “ballet” por vezes envolvem posições articulares extremas e esforços musculares que podem exceder as amplitudes normais de movimento, gerando assim, altos valores de estresse mecânico nos ossos e tecidos moles. O objetivo deste estudo é fazer uma avaliação dinâmica de movimentos selecionados do “ballet” clássico, com intenção de adequar a metodologia biomecânica de análise à avaliação das sobrecargas inerentes ao treinamento da dança clássica, relacionando os resultados ao problema de lesões nos pés já levantado pela literatura. Um questionário anterior identificou a presença de lesões em bailarinas não profissionais que treinam em pontas. Neste trabalho, Força Reação do Solo (FRS) e pressões plantares foram registradas através de uma plataforma de força Kistler e sensores de pressão Tekscan, respectivamente.

O COQUE DA BALARINA .

O cabelo bem preso é essencial para o bom desenvolvimento dos exercícios durante aulas e ensaios. A bailarina deve estar concentrada na dança, nos exercícios, no seu corpo, e não preocupada em arrumar o cabelo ou tirar a franja do olho. Para isso, precisamos de liga de cabelo, grampos, uma redinha e gel, no caso das apresentações.
  •  Faça um rabo de cavalo bem puxado. Ele pode ser: baixo (três dedos acima da nuca); médio (na reta da orelha); alto (três dedos acima da reta da orelha).
  • Se você tem cabelo muito cheio, divida o rabo em dois.
  •  Torça as duas partes do cabelo ou o cabelo todo, e vá enrolando o cabelo torcido em volta da liga do rabo de cavalo. Depois de enrolar a primeira parte de cabelo torcido, prenda-a com grampos e enrole a segunda por fora da primeira, de modo que o coque fique "espalhado" na cabeça.
  • Coloque a redinha e prenda-a com grampos nos cantos do coque, e não no meio dele, para que os grampos não apareçam.
  • Prenda a franja com um tic-tac (prendedor de cabelo) ou uma faixa.
  • Em dias de apresentações, faça o rabo de cavalo com gel, para que o cabelo não solte "pedacinhos" ou arrepie os fios.
  • Para que o coque fique mais firme, caso seu cabelo seja comprido, você pode fazer tranças ao invés de enrolar as partes do cabelo.

A arte de DANÇAR .

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria.